Clínica especializada no tratamento de usuários de álcool e drogas
Sobre a Dependência Química Sobre os tipos de droga Sobre os tipos de tratamento Orientação para a família e os educadores Auxílio às empresas Notícias sobre álcool e drogas Links úteis associados à Dependência Química Entre em contato com a Lema
Marcos Antonio Manfredini
CRP 94774
Psicólogo especializado em
Dependência Química
Orientação
Faça download da cartilha para a família
Faça download da cartilha para educadores
 
 
ORIENTAÇÃO PARA A FAMÍLIA E EDUCADORES DO DEPENDENTE QUÍMICO

CARTILHA PARA PAIS DE ADOLESCENTES

CARTILHA PARA EDUCADORES

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

1 – Por que as pessoas usam drogas?

LEMA: Os motivos são os mais variados possíveis. Geralmente é na adolescência que o individuo tem o primeiro contato com a alguma droga. Esta é uma fase em que a curiosidade, a necessidade de vivenciar experiências novas, fazer parte de algum grupo, construir uma identidade, romper barreiras e lidar com desafios, estão muito presentes. Estes aspectos, associados à cultura atual, grupo social, ambiente familiar, até possíveis traumas vividos na infância ou algum transtorno mental, fatalmente levarão o jovem a buscar refugio em algo que lhe dê a sensação de bem estar e, as drogas ou o álcool são os recursos mais rápidos e fáceis para se atingir esta sensação.

2 – Meu filho só usa maconha: devo me preocupar?

LEMA: Sim. Existe o mito que a maconha é uma droga que não causa danos ao usuário, pois muitos intelectuais ou artistas fazem uso e continuam vivendo normalmente. A maconha age no SNC (sistema nervoso central) do indivíduo, provocando deturpação ou perda da capacidade cognitiva e sensorial. A memória, coordenação motora, ânimo, raciocínio lógico, concentração e julgamento ficam prejudicados, podendo colocar a pessoa em alguma situação de risco de acidente ou até provocar o desenvolvimento de alguma doença mental, entre elas a esquizofrenia

3 – Qual a droga mais perigosa?

LEMA: O que diferencia uma droga de outra é o tipo de alteração que ela causa no indivíduo. Existem as drogas que deturpam, as que deprimem e as que estimulam o SNC (Sistema Nervoso Central). Algumas levam mais tempo do que outras para causar a dependência e seus conseqüentes agravos. A droga mais perigosa é aquela que o indivíduo atualmente está fazendo uso.

4 – Como reconhecer se uma pessoa está fazendo uso de drogas?

LEMA: Mudança brusca de comportamento: Introspecção, isolamento, linguajar chulo, troca do dia pela noite, emagrecimento, pensamentos confusos, falta de motivação para concluir qualquer projeto iniciado (trabalho, estudo, etc.), mentira, arrogância, manipulação, culpar outras pessoas pelos seus problemas, baixa auto-estima, mudança de grupos de amigos (o dependente só tem afinidade com quem também usa drogas), agressividade com palavras, imediatismo e baixíssima resistência a frustrações. Estes são os principais indícios.

5 - Quais atitudes que a família deve ter ao confirmar o uso de drogas?

LEMA: Infelizmente quando a família começa a desconfiar que o filho esteja usando drogas, possivelmente já faz três ou quatro anos que ele vem consumindo sem que a família perceba, em outras palavras, a doença já se encontra instalada. A família deve encarar a realidade, sem pânico, sem sentimento de culpa, sem acusações mútuas, discutir o problema para que todos falem a mesma língua, buscar, o mais rápido possível, ajuda profissional. Ameaças, presentes, promessas, mudanças de endereço só causarão desgaste à família e não ajudarão em nada.

6 – Se o indivíduo que está usando drogas não admite ter qualquer problema e não aceita ajuda, o que a família pode fazer?

LEMA: A família não tem o poder de decidir se o seu familiar irá ou não, usar drogas, mas pode colocar limites para até onde deixará ser afetada pelo comportamento de um de seus membros. De comum acordo os familiares devem impor regras rígidas para que ele, o usuário de drogas, permaneça no ambiente familiar, punir toda vez que fizer uso da substância, tais como: cortar mesada, viagens, tirar o carro, punições que levem a uma reflexão de que não vale a pena usar drogas.

7 – Qual o melhor momento para a família conversar com um de seus membros que está fazendo uso de álcool ou drogas?

LEMA: De preferência quando este não estiver sob o efeito de qualquer substância, pois dependendo da personalidade, histórico e contexto familiar do usuário, associado ao tipo de substância da qual ele faz uso, conversar sobre este assunto no momento em que ele se encontra sob efeito de alguma substância pode levar desde a negação total com possível acesso de agressão física ou verbal, deturpação e total falta de entendimento do assunto, até a concordância plena de tudo que for falado. Contudo, no dia seguinte, a possibilidade de esquecimento ou o não cumprimento dos acordos tratados na conversa são enormes.

8 - Como devo conversar com meu familiar que está fazendo uso de drogas?

LEMA: Para evitar discussões, procure ser o mais objetivo possível, sem se valer de acusações, pois isso levará seu familiar a se posicionar na defensiva, negando qualquer tipo de afirmação vinda de você. Portanto, no momento da conversa procure se livrar de sentimentos como raiva, medo, etc., que possam atrapalhar seu objetivo. O ideal é que você coloque limites para si próprio, ou seja, até onde que a família permitirá que comportamento de um de seus familiares os atinja. Em outras palavras, a família não diz o que seu familiar deverá fazer, mas sim o que não permitirá que ele faça enquanto morarem no mesmo local. Dito isso, a família se coloca a disposição para ajudar, indicando um profissional especializado para orientá-lo.

 

LEMA Vida e Saúde - Diagnóstico, Prevenção e Tratamento em Saúde Mental - Todos os direitos reservados
Rua Emilio Mallet, 317 - 1 º andar - conj. 114 - Tatuapé - São Paulo SP - CEP: 03320-000
E-mail: atendimento@lemavidaesaude.com.br
Telefones: (11) 2769-5233 - Vivo cel:(11) 99710-9229